15 de ago de 2009


OS 20 ANOS DE “AVENTURAS NA ROTA DOS VINHOS”

Arlete R. de Oliveira
Jornalista

Um livro inspirador sobre a busca da originalidade e da diversidade no mundo do vinho está completando 20 anos em 2008. Não se trata de um manual de viticultura ou enologia. É a trajetória de um homem que, em pleno boom internacional dos vinhos superalcoólicos e madeirizados, nos anos 80, resolveu seguir na contracorrente. Tomou para si uma espécie de cruzada no sentido de garimpar na França os melhores vinhos elaborados no velho estilo tradicional, por pequenos produtores. E tornou-se uma lenda pela reverência a uma vinicultura de mínima intervenção, que acreditava revelar a melhor expressão de cada lugar, em vinhos de grande riqueza de cor, aroma e sabor.

Desafortunadamente, o relato de “Adventures on the Wine Route”, de Kermit Lynch, não despertou o interesse dos tradutores brasileiros na época de seu lançamento, nos Estados Unidos, em 1988. Na atualidade, entretanto, quando o mundo parece cansar-se da moda de vinhos superpesados que predominaram nas últimas décadas, o livro de Lynch merece ser citado como referência de um estilo de produção mais natural, que reconquista espaço em todo mundo, e também como precursor dos atuais movimentos contra estandardização do gosto promovida pela produção industrial globalizada. Prova de que a obra não perdeu interesse foi o recente lançamento de uma nova edição da tradução francesa, agora em formato de bolso, pela editora Payot & Rivages, de Paris.

Em suas “Aventuras na Rota dos Vinhos”, Lynch, um importador que tinha uma pequena loja na Califórnia, em meados dos anos 70, narra a história de sua conversão aos vinhos elaborados no velho estilo e da peregrinação que realizou anos a fio nas regiões demarcadas de qualidade na França, a procura de vinhos vinificados naturalmente. O que ele buscava eram vinhos diferenciados, com pouca ou nenhuma adição de sulfito, preferencialmente sem filtração. Tinham de ser originais, expressando as características do local onde os vinhedos eram cultivados, e elaborados de modo a não perder o perfume, os gostos terrunhos e a capacidade de permanecer vivos ao longo do tempo.

O ENCANTO DA DIVERSIDADE

“Um dos milagres do vinho francês, uma razão pela qual ele é incessantemente encantador é sua diversidade”, admirava-se ele, referindo-se à capacidade de se encontrar numa mesma região e com uvas de um mesmo varietal, vinhos com nuances diferentes de aroma e sabor. Graças às suas incursões pelo interior da Borgonha, dos vales dos rios Loire e Rohne, da Provence, Bordeaux e sudoeste francês, ele conseguiu estruturar uma rede de fornecedores de vinhos de grande qualidade que se manteve e se renovou ao longo dos anos.

Lynch vinha de uma época em que o paladar californiano exigia vinhos de “encher a boca”, às custas de qualquer outra virtude, inclusive autenticidade. Mesmo a França, dizia ele, em todas as regiões importantes, estava cheia de vinhos superalcoólicos e supermadeirizados, devido a excesso de chaptalização (adição de açúcar ao mosto para aumentar o teor alcoólico) e passagem prolongada em barricas de carvalho novas. Para Lynch, o destaque dado a esses vinhos tinha uma causa: a prática de degustação às cegas, que acabava sempre elegendo o mais “potente”, dentre os avaliados. Os vencedores eram vinhos “arrasa-quarteirões”, big wines, monstros em taninos e álcool, que amadurecendo, perdiam a fruta, mas continuavam monstros em taninos e álcool, afirmava ele. Na sua opinião, esse tipo de certame era feito para seduzir jornalistas e degustadores, para que influenciassem os consumidores, do mesmo modo como impactaram as práticas de vinificação adequando-as à fórmula.

A crítica de Lynch tinha relevância, considerando-se que apenas nesta primeira década do século XXI, alguns dos grandes comentaristas internacionais de vinhos começaram a repudiar a moda de vinhos supertânicos, superalcoólicos e com excesso de carvalho. A avaliação de vinhos visando sua pontuação em um ranking também foi alvo de sua crítica. “Os escores numéricos afastam os consumidores de uma real e significativa apreciação de vinho fino”.O melhor, apontou ele, é “apreciar um vinho pelo que é, com a mente aberta, buscando o prazer, não um escore numérico”.

PRODUZIR A UVA, CRIAR O VINHO

O que é especial no livro de Lynch é o modo como fez seu aprendizado em conversas nas cantinas, junto das barricas, cheirando e degustando vinhos, escutando e anotando. É assim que nasceu um sentimento quase reverencial pela sabedoria daqueles vignerons artesanais, guiados pela experiência, gosto e instinto plasmados em séculos de existência. Naquele mundo que Lynch ia descobrindo viviam homens simples, perfeitamente integrados ao ofício de produzir a uva e criar o vinho. Tinham as mãos escurecidas pelo trabalho nos vinhedos e na caves e sabiam tirar da terra a sua melhor expressão, utilizando praticamente apenas insumos e práticas naturais. Muitos desses personagens e lugares foram registrados em imagens em preto e branco pela fotógrafa Gail Skoff, esposa do autor.

Mais do que mero importador, Lynch tornou-se uma figura lendária também pelo seu trabalho educativo. Primeiramente por destacar a diversidade de aromas e sabores que poderiam ter vinhos originários de vinhedos cultivados em diferentes regiões, tipos de solo, climas e altitudes e resultantes de diferentes práticas de cultivo e de vinificação. São os elementos que caracterizam a famosa expressão francesa terroir. Depois, por sua insistência na originalidade dos vinhos produzidos com mínimas técnicas de intervenção, “vinho natural”, e sem filtração, “vinho vivo”, segundo ele.

Na visão de Lynch, dentre as ameaças daquele momento ao estilo tradicional de vinicultura se destacava a expansão da tecnologia industrial, facilitando maior lucro com a ampliação da produção daquilo que os seus amigos vignerons chamavam de “vinho tecnológico”. Decepcionado, ele registrava as mudanças. “Hoje a mentalidade é diferente. O instinto motivador é diferente. O progresso não é mais medido pela qualidade; é medido pela segurança e facilidade. A enologia está afastando o lado arte do fazer vinho”, resumia.

“O VINHO É ALGO VIVO”

Assim, lamentava ele, desaparecia lentamente a velha França.“A vinificação tradicional em cada região vinícola francesa, permitiu o terroir expressar-se no vinho. As técnicas modernas destroem ou mascaram essa originalidade em nome da segurança”, afiançava. Note-se que estava falando do observava naquele país nos anos 80. Poucos dos novos enólogos – dizia Lynch – sabem degustar ou se importam com o gosto do vinho, desde que as análises estejam corretas. “Eles se sentem seguros com um vinho estéril. Isso não é vinho. Vamos dar um outro nome a essas bebidas baseadas em uvas. O vinho é algo vivo”.

Embora trabalhando com produtores praticamente desconhecidos para os consumidores americanos na época, Kermit Lynch construiu sua reputação com base em um compromisso com altos parâmetros de qualidade de degustação. Só negociava com aqueles que, além de seguirem a vinificação tradicional, também engarrafavam o vinho na propriedade, uma garantia de autenticidade. Ainda foi um dos primeiros importadores dos Estados Unidos a transportar suas encomendas em containers refrigerados, da Europa até a porta de sua loja.

Muitos dos vignerons citados no livro já não são mais fornecedores de Lynch, ou porque desapareceram, ou porque deixaram de produzir no estilo tradicional, ou porque não houve mais acordo comercial. Mas boa parte dos nomes mencionados em seu livro encontra-se hoje no topo de uma lista de vinicultores regionais de grande projeção na França: Hubert de Montille, Henry Jayer, François Reveneau (Borgonha); Jean Louis Chave, Auguste Clape, Henri Brunier (Rhone); Didier Dagueneau, Charles Joguet (Loire) e Domaine Tempier - família Peyraud (Provence). Também foi Lynch quem levou os vinhos do aguerrido Aimé Guibert (Mas Daumas Gassac), para os californianos.

Com tanto encanto pelo vinho, Lynch acabou também se tornando produtor. Em 1998, em parceria com a família Brunier, adquiriu o Domaine Les Pallières, em Gigondas, nas encostas ao sul do rio Rhone, região da Provence. Hoje, aos 65 anos, vive metade do ano com a família, próximo a Toulon, no sul da França, e outra metade nos Estados Unidos. Adventures ganhou o prêmio Livro do Ano Veuve Clicquot – USA e também foi traduzido para o francês. Em 2005, Lynch igualmente recebeu a medalha Chevalier de la Legion d’Honneur do governo francês, como anteriormente outras tantas personalidades estrangeiras do mundo do vinho, entre elas os também americanos Robert Mondavi (produtor que revolucionou a vitivinicultura nos Estados Unidos) e Robert Parker Jr.(o mais famoso crítico de vinhos da atualidade).

“Vinho verdadeiro é mais do que uma bebida alcoólica. Quando se experimenta um vinho de um terroir nobre, bem elaborado, incólume e vivo, pode-se concluir: aqui está um presente da natureza, a fruta da vinha suprida pela terra, amadurecida pelo sol, modelada pelo homem”. (Kermit Lynch)


(Matéria originalmente publicada na edição de setembro de 2008 da Revista Bon Vivant, do Rio Grande do Sul)

Nenhum comentário: