12 de set de 2010

Atlas francês mostra rota do Vale dos Vinhedos

Mal entrou em venda em julho último, o "Atlas Mondial des Vins", dos renomados geógrafos franceses Raphaël Schirmer e Hélène Velasco-Graciet, foi aclamado como uma obra de referência para quem se interessa pelo mundo dos vinhos.

A riqueza do livro de 80 páginas está em mesclar texto, e especialmente mapas e infográficos em profusão, o que permite uma ampla visão do tema, a começar dos primeiros registros históricos do vinho até a complexa realidade atual.

Numa perspectiva histórica, o Atlas mostra que o vinho acompanhou a expansão das civilizações pelas regiões mediterrâneas, desde cerca de 5 mil anos antes de Cristo. E que, ao disseminar-se, permitiu a construção da hegemonia européia e o estabelecimento dos primeiros critérios de qualidade de produção, já no século XX, por meio das denominações de origem.

Um grande espaço da obra é reservado para as questões da realidade atual.  Como, por exemplo,  pelos ventos da globalização, a nova configuração mundial do vinho afrontou a dominação européia,  determinou a mundialização dos vinhedos e o crescimento da produção dos vinhos dos novos países  (vinhos do Novo Mundo). Os geógrafos enfocam as mudanças  que influenciam os atores da produção e  o consumo e detalham as novas dinâmicas geográficas, sociais e econômicas. É o fim de uma ordem consagrada? A pergunta está na capa do livro.


        Rota do Vale dos Vinhedos


Fenômeno do século XX, o vinho tornou-se também pretexto para uma experiência turística. Em duas páginas sobre o enoturismo, o livro mostra, como exemplo, uma rota de vinhos no Brasil.

Embora não esteja nominado oficialmente, a imagem retrata o Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves, no estado do Rio Grande do Sul, com pontos vermelhos indicando as vinícolas e verdes, a infraestrutura hoteleira. Nas mesmas páginas, os geógrafos também destacam rotas do vinho na Espanha, França (Alsacia) e Itália (Toscana).

Nenhum comentário: