28 de dez de 2012

AFINAL, UM VINHO AUTÊNTICO O QUE É ?



As expressões "vinho autêntico" e "vinho natural" permeiam milhares de comentários, opiniões e material de publicidade, tentando traduzir, às vezes sem muito fundamento, qualidades que aportariam dignidade à bebida resultante de uvas fermentadas.

Buscando dar significados a esses termos, dois escritores britânicos publicaram em 2011 um extenso estudo sobre o tema. 

Nas 259 páginas do livro  "Authentic Wine - Toward Natural and Sustainable Winemaking", Jamie Goode, jornalista científico e comentarista de vinho em publicações inglesas, e Sam Harrop, Master of Wine, produtor de vinho e consultor independente em enologia, em países como Nova Zelândia, França, Inglaterra e Portugal, aprofundaram questões em torno do assunto.

Para Goode e Harrop, os elementos que referendariam um vinho "autêntico", são os seguintes, em resumo:
 
Viticultura sustentável. O vinhedo é encarado como um agroecosistema, favorecendo microorganismos, insetos e plantas que mantenham a saúde do solo; utilizando espaçamento e sistemas de condução apropriados, permitindo que o vinhedo alcance um equilíbrio natural.  


Maturação apropriada. Colheita na hora certa, para reter o frescor e a definição das uvas e evitar altos potenciais de álcool. 

Sensibilidade ambiental.Minimização da "pegada de carbono" (medida de impacto das atividades humanas quanto à emissão de gases de efeito estufa) em todos os estágios de produção, da uva à prateleira.


Produto livre de defeitos. Vigilância para prevenir defeitos do vinho que obscureçam e prejudiquem o sentido de lugar da produção.

Senso de lugar. Respeito ao "terroir", ou seja, atenção e escuta ao lugar do vinhedo, permitindo que se expresse no vinho.



Elaboração natural. Adições e manipulações mínimas,  com o objetivo de manter o sentido de lugar de produção do vinho.

Considerando esses fatores, apenas uma pequena gama de vinhos entraria no conceito de "vinho autêntico" de Goode e Harrop. Em realidade, a maioria dos vinhos são vinhos-commodities - como um produto agroindustrial qualquer - respondendo a demandas de um grande mercado consumidor, nacional e internacional.

A abordagem sustentável e mais natural, representada por umas poucas vinícolas, tende a quebrar a homogeneização e brindar vinhos com definição, complexidade e senso de pertencimento a um lugar. Porém, por enquanto, para um mercado muito restrito.

Um comentário:

Anônimo disse...

Muito boa matéria, parabéns. Hoje o tema sustentabilidade envolve várias frentes, de fundamental importância no atual momento.